Ver um filme que já sabemos a história, só para descobrirmos como será contado é complicado, pois nos faz ficar mais dligado nos detalhes da produção do que no roteiro.

Esse sonífero, digo, filme sobre Noé tinha tudo para ser muito legal, a começar pela história fantástica; aí pegaram corda o mirabolante texto original e exageraram.

Não fosse ser uma história clássica, acho que não sobraria ninguém na sala até o final do filme. Dizer que ele é chato é um elogio.

E aqueles “guardiões” de pedra lá? Viagem, man! Não vou contar para não estragar, mas até risada lá no cinema teve!

Ah, e para um homem de 600 anos, até que Noé estava bem jovial.

Saí lucrando porque escrevi umas duas cenas finais para o meu livro “O caso dos Anciãos Traulet” mas, não fosse isso, teria jogado umas dezenas de reais fora.

Pior é que, ao menos, achei que o filme fosse agradar aos religiosos; nem a eles! Umas resenhas que li só faltam dizer que o roteirista estava inspirado pelo diabo a criar tantos “turnin points” na história.

No fim, ficou a certeza de que, àquilo ser verdade, somos resultado de um grande incesto! Provando que, até na bíblia, nada é pecado se for justificado pelos fins.

Ainda fico com a produção “Em busca da Arca de Noé” de 1978, que foi exibido na Globo em 1983, muito simples, direta, fiel à trama bíblica original e de quebra ainda indica o paradeiro atual da Arca (!Sério!).

 

Sim, em questão de efeitos visuais, 10!
Sim, em questão de efeitos visuais, 10!

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>