Que tal me ler antes de me elogiar?

Sou rabugento mesmo.

Odeio escutar “Eu te admiro”, “Gostamos de você” quando vem de quem nunca leu qualquer obra minha, sabendo que sou escritor.

É um problema, eu sei, mas qualquer artista é assim.

Significa que, como qualquer escritor, qualquer elogio (aí incluindo o “eu te admiro” que escuto habitualmente) vindo de quem nunca leu algum livro meu nunca é bem entendido, aliás, nem sequer considerado.

Infelizmente, por convenções de boa convivência eu não posso dizer “Arghhh… engula seu elogio a mim, prefiro à minha obra!” – Não me culpe, qualquer um que escreva pensa assim, apenas não manifestam.

A parte boa é que qualquer “Eu gostei do seu livro _____________ !” me ganha rapidinho, consegue tirar de mim sorriso imediato; lembrarei do que você disse e de você – até porque foi esse o motivo de eu escrever: ser lido e – melhor – haverem gostado do que escrevi.

Pode parecer uma ideia imbecil, mas acho que assim como para criticar se tem que conhecer o alvo da crítica, para elogiar, também.

É provável portanto que – se você sabe que sou escritor mas nunca me leu – aquele meu sorriso ou o “obrigado” dirigido a você, na verdade, foi mera educação, e não agradecimento.

Nuna leu algum livro meu, sabe que eu escrevo, e esta me elogiando? "Obrigado!..."
Nunca leu algum livro meu, sabe que eu escrevo, e esta me elogiando? “Obrigado!…”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *