Início Reflexões & Cotidiano Programa “Banzeiro de Ideias” – A Experiência

Programa “Banzeiro de Ideias” – A Experiência

314
0

Quase sete chego perto do posto Atem, Praça 14, à Rádio Batukada (www.radiobatukada.org.br). Eu não a conhecia; aliás, vou agora adentrar à audição de webradios, eu simplesmente não às escutava, nenhuma.

A Wanessa já estava lá à minha espera, logo iniciaria seu programa dominical, o “Banzeiro de Ideias”.

Conheci a Wanessa quando de sua passagem pela Tv Amazonas, na produção. Depois a revi em um de seus eventos, onde fizemos um debate sobre violência contra a mulher. É uma moça idealista, cabeça, com voz mansa e articulada – que argumenta ao invés de brigar.

Fiquei ainda mais  à vontade quando vi que duas colegas minhas de labuta no magistério estavam lá, a Simone e Lisiane; ministram aula na mesma faculdade que eu. Ufa! Nada estranho por lá, então.

Fiquei impactado com algo: Achei que, por ser uma webradio, encontraria algo bem humilde, caseiro. Uau! Uma estrutura maior do que algumas rádios FM em que já estive! Sei lá quem é o empreendedor, mas parabéns pra ele!

Só lá soube que Nicolas Jr. se faria presente. Gosto do som dele desde que comprei o CD “Divina Comédia”, que ele gravou com Joaquim Marinho (O Joaquim é um dos que sempre admiro há décadas, até escrevi esse post aqui, onde ele é um dos citados).

Aquele programa deveria ser filmado: A Wanessa gesticula com absoluta sincronicidade enquanto fala, é uma pena não haver webcam lá ainda, iam gostar de ver – no microfone, a voz baixa contrasta com a eloquência. Minhas duas colegas professoras, co-locutoras (existe essa palavra?) do programa intervinham com tiradas cirúrgicas.

Diagnóstico: O programa é CABEÇA; como eu não imaginei que existisse. Foulcault, Mário de Andrade, Freud, por aí… Ser uma programa de webradio tem uma vantagem: Já que exige um comportamento ativo do ouvinte em buscar o programa (não apenas girando ou apertando UM botão), a audiência já é cativa e qualificada – dispensa o Banzeiro, portanto, qualquer artifício para seduzir ouvinte para mantê-lo lá, o que favoreceu a espontaneidade que presenciei.

IMG_4441

Fiquei em êxtase ao ver a sinopse da contracapa do meu livro “Nivi” ser lido no ar; aliás, foi o primeiro programa de rádio onde tratei sobre ele. Foi como naquele julho de 1993 quando escutei a música da minha banda Alta Ralé tocando no rádio. Se ver/ouvir através de outro é diferente, mágico – ainda que eu nem tivesse dito algo, só o fato de ver o “Nivi”, minha obra maior, ser mencionado como foi ali já valeria dez vezes minha visita ao programa!

Fiquei lá conversando com Nicolas – ficou sentado ao meu lado; aliás, ele me disse que não gosta de ouvir músicas! Um paradoxo.

Cumprimentei o Nicolas, disse que era seu fã; para minha surpresa ele disse gostar do meu trabalho na TV. Não deu outra: Combinamos de algum dia escrevermos uma música juntos. Vou gostar muito, aguardem!

Já tenho algo pra escutar nos domingos, entre 19 e 21 horas. Vida longa ao “Banzeiro de Ideias”.

 

 

 

Artigo anteriorOs números que você deixa na faculdade
Próximo artigoMeu netbook renegado (Acer Aspire One 2013)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui