Sim é.

Não é por ser um novel-entusiasta de motos que omitirei isso de qualquer pessoa: definitivamente, moto é perigoso.

Carro, barco, ou andar a pé também é perigoso mas, admito, moto é mais.

Isso significa que não estimulo ou recomendo moto pra ninguém; ser motociclista é algo que deve brotar do próprio interessado, é um perfil, um estado de direcionamento; um comprometimento com o próprio risco.

Quando estava iniciando o treinamento para saltar de paraquedas, em 1996, a primeira coisa que me instrutor Aldévio disse foi: O risco de pane é real! É como um preço, quanto maio a emoção…

Moto cai, cai sozinha inclusive. No meu treinamento de moto tombei sete vezes em quinze horas – nenhuma queda grave e uma delas, vergonhosamente, com a moto parada!). Carros não respeitam motos e o parachoque da moto, você sabe como funciona. Isso resulta que motocar é estar alerta a cada segundo, desconfiando e em estado defensivo a cada centímetro rodado.

Eu me preocuparia se meu filho fosse motoqueiro, mas ficaria mais tranquilo se ele fosse motoqueiro porque ele mesmo assim o decidiu.

Pense nisso quando for viajar de avião: moto, se der um problema no motor, você ainda pode pará-la, baixar o descanso e sair pra saber o que houve; no avião, nem isso (e se uma moto cai, o chão está logo ali).

Ah, e se nesse momento você está vivo, você já tem o único requisito para morrer a qualquer momento.

qdmt

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>