Finalizava a primeira das duas horas de aula na moto. Eu já sabia trocar marchas tranquilamente, parar e sair.

Viria o próximo estágio: início do treinamento das curvas fechadas e zig-zag, para a prova do exame de habilitação.

Eu só sabia fazer curva à esquerda, pois não podíamos girar para a outra direção no circuito de treinamento (grave erro de projeto!). Isso me trouxe grande insegurança para curva à direita, que eu não houvera feito, até agora. Curva à esquerda com a moto sem aceleração então, era duplamente mais difícil – Mas eu conseguiria, difícil é só no começo, depois vira comédia.

Nem tanto comédia assim, pelo menos hoje:

Eu estava treinando o circuito da curva fechado à esquerda. Se se abre demais o guidom, a moto tomba por falta de curva, se se fecha demais, a totó tomba por não ter força para completar a curva. Foi o que aconteceu: fechei de mais a curva, e a moto tombou em cima de mim; por reflexo fui apoiar a queda; foi pior: ralei um pouquinho (bem pouquinho) o cotovelo direito, e o antebraço ficou meio assado pelo choque com a asfalto. Ainda bem que estava bem lento, ou a abrasão poderia ter feito um pequeno estrago no meu braço (eu não estava de manga longa!).

Assim que caí chequei logo a perna: tudo estava OK, a perna ficou encaixada sob a moto, de forma que nada estava sendo esmagado – percebi que a engenharia das motos já preveem esse tipo de queda, pois a perna fica meio que “encaixada” sob a moto.

Ao invés de eu sair e levantar a moto, resolvi registrar o momento pra posteridade: minha primeira queda de moto. Puxei o celular e enquanto as pessoas em volta (longe) ficavam apreensivas por eu estar lá parado (“será que foi grave?”) tratei de tirar dois selfies; eu estava feliz com o batismo, por isso saí sorrindo nas fotos.

Meu instrutor ajudou a tirar a moto de cima de mim, me perguntou se estava tudo OK, e continuei a aula normalmente (mas com o antebraço ardendo).

A primeira queda a gente nunca esquece - Eu estava sorrindo mas o braço esquerdo estava ardendo
A primeira queda a gente nunca esquece – Eu estava sorrindo mas o braço esquerdo estava ardendo

Um outro instrutor se aproximou de mim e disse: Você agora está realmente habilitado! – Foi exatamente o que pensei, afinal, que graça tem não ter uma história de queda de moto pra contar?

Bem, já que caí, passei de fase, certo? Errado…

O segundo tombo foi por absoluta leseira inexplicável: um outro “em treinamento” não conseguiu frear a moto, íamos bater; tive que frear de emergência. Mas fui parar a moto na entrada de uma curva; pecado mortal. Ela chegou a parar, mas já parou tombando e eu não consegui mantê-la em pé, ainda tentei, mas ela caiu – bem, a parte boa é que consegui ainda não fazê-la tocar o chão, ficou coisa de uns três dedos acima do asfalto. O Instrutor veio correndo: “Deixa tombar! Deixa tombar!” – mas não deixei, e ele me ajudou a erguer a CG 125.

O terceiro tombo foi o que eu mais me bati embora não tenha me ralado. Senti um estrondo fortíssimo quando caí: era uma pancada da cabeça do asfalto. O capacete realmente funciona, protege e é absolutamente essencial! Pelo volume do estrondo de dentro do capacete, a pancada teria sido feia, mas nada sofri na cachola, 10 pro capacete! – Meu instrutor chegou perto de mim e disse: – Chega de tombos por hoje! Vamos dar baixa na aula, continuamos amanhã! – Não! – Eu disse – Deixa eu fazer o circuito mais uns dez minutos.

Fiz o circuito e, teimosamente, fui me meter a fazer treinar a mesma curva fechada e…

Bem, o último tombo, também na dita curva fechada à esquerda tentando fazer o “8”, eu fui atirado para fora da moto, caí de barriga há um meio metro da máquina, não me bati, caí apoiado nos antebraços que, estranhamente, não ralaram. A moto que se ferrou, nessa: vi que a manopla esquerda (o lado que tombei) havia quebrado a ponta, o pedal de apoio ao freio havia amassado um pouco. O mais legal desse tombo foi que eu mesmo, sozinho dessa vez, consegui erguer a moto! Pega!

Registramos a saída da aula de hoje. Acho que a bruxa estava solta, pois a próxima aula do horário, na mesma moto, mal montou já ia caindo também, só não tombou porque o instrutor ainda voltou rapidamente e levantou a moto.

Se estou assustado? Claro que não! Adrenalina pura! Rumo à próxima aula!

Já parou de arder, ainda bem!
Já parou de arder, ainda bem!

comments (1)

comments (1)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>