(Escrevo esse post antes de sair o resultado da disputa dos bumbás de Parintins de 2014.)

Sou Caprichoso, mas sei lá… acho que nem tanto, mais.

Torço pro Caprichoso desde 1996, quando estive em Parintins a trabalho e fui presenteado com uma miniatura do Boi Caprichoso – por esse motivo aparente mente idiota virei Caprichoso.

Eu sempre via naquela disputa uma questão ideológica, de alma mesmo, isso sempre me fascinou – eu, roqueiro, que sempre detonava boi, tinha um grande respeito pela devoção que os torcedores tinham por seus bois.

Então, mantive-me um Caprichoso convicto.

Até que algo aconteceu: David Assayag foi cantar no Caprichoso.

Acabou a magia. Explicando:

– David Assayag, penso, é o maior cantor de boi que existe, o melhor absoluto;

– Mas tudo aquilo que eu pensava, que boi era questão da alma parintinense, foi pro espaço, afinal, nada nem ninguém personifica mais o Garantido do que David Assayag;

– Já achei grave ele querer ir pro Caprichoso, mas achei MUITO MAIS GRAVE o Caprichoso recebê-lo!

-Aí, aquilo que era algo ideológico, de alma, se mostrou, ao menos pra mim, algo baseado em dinheiro, oportunidade, momento, conveniência, sei lá, por aí… – acabou a magia.

Foi uma espécie de traição com a devoção dos torcedores, com a confiança que todos tínhamos no Festival, na disputa.

Então, sou Caprichoso, mas não me faz mais diferença quem ganhe…

mscrs

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>