Você que é um pobre cidadão, que paga imposto, mas morre na corrupção
Você que é um pobre cidadão decente, honesto; mas vive na mão
E não acredita no sistema que você criou e foi criado por ele
Refrão:
E essa é a sua “pátria amada” que merece sua vida, sua morte e o seu sofrer
E essa é a sua “pátria amada” da qual você se lembra mas, lamento, ela te esqueceu!
E essa é a sua “pátria amada” que merece sua vida, sua morte e o seu morrer
E essa é a sua “pátria amada” da qual você se lembra mas, lamento, ela te esqueceu!
 
Você que é um pobre cidadão, caminhos tortos, com a alma fora de sua mão
Você que é um pobre cidadão que quer mudança, mas tenta, quase sempre, em vão
E não acredita no sistema que você criou e foi criado por ele
 
Refrão

Sobre:

Como bom discípulo do mestre Bob Dylan, tenho predileção por escrever letras políticas.

Essa é de 1995. Eu tinha escrito ela em um caderninho, deixei-a esquecida por mais de dez anos. Encontrei-a por acaso fuçando velharias no local de ensaio das minhas antigas bandas. Foi gravada no meu CD “As Cordas, Eu e o Nada” quase inteiramente como foi composta, com quase nenhuma alteração (só uns ajustes de métrica). Espero um dia gravá-la em etilo punk, pesadão.

Clique para escutar as faixas e ler o “Making Of”

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>