Para você que está lendo já em post-factum, explico: Tivemos aqui em Manaus uma cliente que disse uns desaforos para um atendente do Habbib´s, segue o vídeo:

 


Após assisti-lo, concluo que:

1 – Nem questiono que não possa ter tido demora. O problema foi, no caso concreto, não terem avisado da demora e/ou o motivo dela aos clientes; nota-se que a senhora está estressada não pelo tratamento que recebeu, mas por ter esperado além-normal;

2 – Ela é o típico consumidor-problema. Tratei disso no meu livro “Direito do Consumidor – aprenda de uma vez!”; lá eu escrevi textualmente: “Existem clientes cujo lucro que deixam não paga o estresse que causam”

3 – No vídeo, ela diz que “é gerente”. Meu irmão… socorro! Eu que não queria ser um subordinado dela! Se com quem ela tem relação contratual se dirige daquela maneira, com um subalterno então… ; ah, e a ironia é que ela tenta dar lições de boa educação!

4 – Ela brigou com a pessoa errada. Se ela queria exercitar sua elegância verbal, que ao menos fosse com o responsável pela espera dela. Pelo que notei, ela acabou detonando todos os funcinários que estavam em volta do interlocutor. Os operários estão lá, ganhando talvez pouco mais que um salário mínimo – para serem acariciados verbalmente daquela forma? Uma vez que reclamei do McDonald´s, tive o cuidado de fazê-lo ao supervisor, e só para ele que, diga-se, foi até atencioso (Sr. Watanabe). Os funcionários da cena do video acabaram sendo vítimas secundárias do infortúnio;

5- Um alerta para os atendentes de drive-trough: Lembre-se que o veículo ali parado já tem a rota de fuga pronta. Assim como surgiu essa senhora descontrolada, poderia ser alguém um pouco mais descontrolado e armado, aí…

6 – Ministério Público: essa é uma oportunidade para termos um primeiro case de “dano moral coletivo”, ainda que simbólico, aqui em Manaus, não acham? – ATUALIZAÇÂO: Recebi a informação de que o MP-AM já ingressou com ações desta espécie (Obrigado, Dra. Silvia). Então, não seria essa uma oportunidade para termos mais um case de “dano moral coletivo”?

7 – Gostei mesmo de ver a reação virtual dos amazonenses ao atentado:

a)      Com bom humor;

b)      Assumindo o que (para ela) seria ofensa, como sendo qualidade;

 

 

Fonte da imagem: Blog “Mais um teko”

P.s.:

– Pelo pouco que sei de Marketing, o Habbib´s já está perdendo tempo em lançar algum produto com tucumã, para aproveitar o timming;

– O chato do tucumã é que quando a gente come direto do caroço, prende no dente;

– Há muuuuito tempo, eu vi um aparelhinho manual de descascar tucumã para vender, no mercado Adolpho Lisboa.

comments (2)

  • Riccardo Patrian Reply

    Boa tarde Marco,

    Vejo da seguinte forma, já trabalhei como atendente, atendimento a clientes, gerente e por ai vai, sei o quanto é dificil encontrar colaboradores que realmente vistam a camisa da empresa que estejam motivados. Porem Marco, isso é culpa das empresas que por “motivos financeiros” não contrata um gerente de qualidade para manter na loja, supervisionar em loco, motivar a equipe, treinar a equipe, ser exemplo. Tudo se tornou centralizado, rh centralizado, fiscal centralizado, financeiro centralizado, administrativo centralizado, gerentes de area, ninguem na filial resolve mais nada. A empresa perde muito mais do se tivesse que pagar 10 gerentes.
    Com isso quem padece é o cliente e por consequência a empresa também.
    Grande abraço

  • Raphaela de Oliveira Reply

    MARCO,

    ALÉM DE TUDO ESSA SENHORA PENSOU QUE ESTARIA OFENDENDO OS AMAZONENSES FALANDO DO TUCUMÃ E DO PEIXE ..

    MAS ELA OFENDEU ELA MESMA COM ESSE COMPORTAMENTO, POIS ELA QUEM FOI RIDICULARIZADA

    AMO, AMO, AMO TUCUMÃ

comments (2)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>