Sou rabugento mesmo.

Odeio escutar “Eu te admiro”, “Gostamos de você” quando vem de quem nunca leu qualquer obra minha, sabendo que sou escritor.

É um problema, eu sei, mas qualquer artista é assim.

Significa que, como qualquer escritor, qualquer elogio (aí incluindo o “eu te admiro” que escuto habitualmente) vindo de quem nunca leu algum livro meu nunca é bem entendido, aliás, nem sequer considerado.

Infelizmente, por convenções de boa convivência eu não posso dizer “Arghhh… engula seu elogio a mim, prefiro à minha obra!” – Não me culpe, qualquer um que escreva pensa assim, apenas não manifestam.

A parte boa é que qualquer “Eu gostei do seu livro _____________ !” me ganha rapidinho, consegue tirar de mim sorriso imediato; lembrarei do que você disse e de você – até porque foi esse o motivo de eu escrever: ser lido e – melhor – haverem gostado do que escrevi.

Pode parecer uma ideia imbecil, mas acho que assim como para criticar se tem que conhecer o alvo da crítica, para elogiar, também.

É provável portanto que – se você sabe que sou escritor mas nunca me leu – aquele meu sorriso ou o “obrigado” dirigido a você, na verdade, foi mera educação, e não agradecimento.

Nuna leu algum livro meu, sabe que eu escrevo, e esta me elogiando? "Obrigado!..."
Nunca leu algum livro meu, sabe que eu escrevo, e esta me elogiando? “Obrigado!…”

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>