Neste livro de 504 páginas da Madras Editora, Joel McIver, amigo da banda Black Sabbath, conta a trajetória da mesma, tanto da vida pessoal dos integrantes quanto a parte dos negócios e questões técnicas de algumas gravações. Fui lendo aos pouquinhos nos últimos meses. É muito legal e ficamos perguntando como esses caras sobreviveram a tantas reviravoltas. Tommy (algumas vezes grafado como “Tony”) e Geezer eram os centrados, calmos e “cabeças pensantes”, mas Bill e Ozzy eram encapetadamente dominados por seus vícios destruidores. Essas são as impressões que destaco:

sbs_

Metade do livro apenas é sobre o Black Sabbath (BS), a outra metade é sobre Ozzy. Aliás, o livro trata até mais detalhadamente da carreira de Ozzy do que o “Seu” próprio, o “Eu sou Ozzy!”, [já resenhado aqui no blog, clique.]

Algo que eu imaginava foi revelado aqui: o livro do Ozzy foi escrito por um “Ghost Writer”; tem nome e tudo: Chris Ayres. E escreveram material para uma futura biografia, que o próprio Ozzy diz que poderia se chamar “Eu ainda sou Ozzy!

Geezer Buttler travava briga quando ia gravar o baixo das músicas no primeiro disco: o engenheiro de gravação não permitia que ele colocasse distorção no baixo. Tommy era quem convencia o cara do estúdio que, quando ouvido em conjunto, o baixo ficavam com um novo som que harmonizava com o todo.

Nos primeiros shows não ganhavam um centavo: “Qualquer dinheiro que conseguíamos, usávamos para a gasolina da van, ou para comprar cordas de guitarra ou baquetas para a bateria.”

A gravação da primeira demo foi financiada por Tony; 500 libras, no Regent Sound Studios – e receberam catorze (14!) “nãos!” de gravadoras para prensar os discos.

O início da banda (que se chamaria inicialmente “Earth”) foi assim: Bill Ward e Tony foram procurar Ozzy para ser vocalista, depois, Ozzy e Geezer foram procurar Tony para ser guitarrista em suas bandas, sim, eram bandas diferentes, e resolveram unir.

No livro tem as duas versões para a origem do termo “Heavy Metal”: Uns dizem que Willian Burroughs, em 1961, em seu livro “The soft machine”, outros, que foi tirado da letra da “Born to be wild”, do SteppenWolf.

A banda tem raiva de advogados, pois tudo o que ganharam com a briga na justiça com o primeiro empresários deles, gastaram em honorários: “Oito mil foram pagos para nós no dia, do qual a assistência jurídica ficou com 6 mil. (…) Se você tem condições de  pagar advogados – e de perder o que paga aos advogados, você consegue algo que se aproxima da justiça.”

Ardem, segundo empresário da banda (e pai de Sharon), fez a banda trabalhar feito louca à exaustão, quase os levando à estafa.

Sharon conta que saíam na briga física, ela e Ozzy. Conta ela que em um show do BS, Ozzy desceu do palco na hora do solo de guitarra, brigaram no braço e ele voltou ao palco para continuar a música.

A partir de 1983 a história do Sabbath fica chata e se perde, de tanto entra-e-sai de tanta gente na banda, parece que nem o autor deu muita trela para a história da banda nesse período. Dando ênfase apenas à fase Dio. O próprio autor passa a impressão de estar apenas “jogando informação”. Nem a propósito, a partir de 1983 o foco deixa de ser o BS e passa a ser a vida de Ozzy, descendo a minúcias que nem no “Eu sou Ozzy!” haviam. Aliás, tenho um post [AQUI, clique] sobre as teorias de formações de bandas.

Algo muito curioso está na página 271: eles contam que o presidente da Varig (é, a Varig!) estava na Rússia, quis conhecer a banda e lhes ofereceu voos de graça para irem à Rússia, quando quisessem. (Se isso for verdade, tais cortesias explicam porque a companhia quebraria depois…).

Em 1992 Ozzy foi diagnosticado com esclerose múltipla, por isso anunciou que se aposentaria naquele ano – depois foi descoberto que o diagnóstico era falho, por isso Ozzu revogou a aposentadoria.

Olha essa citação que, para mim, resume a loucura do Ozzy (pg. 371): “Em 1971 fiquei louco e pulei da janela… uma vez que comprei meio quilo de maconha, quatro tabletes de mescalina, um quarto de uma onça de cocaína e uma garrafa de tequila, e fiquei fora do ar durante uma semana. Comecei a conversar com cavalos, e a coisa mais estranha foi que eles respondiam para mim”.

Sharon conta que perdeu os 10 milhões de dólares ganhos com o reality show da MTV com advogados, pois várias pessoas que apareceram nos episódios resolveram processar a família.

 

Na edição original Inglesa, a capa é um pouquinho - só um pouquinho - diferente.
Na edição original Inglesa, a capa é um pouquinho – só um pouquinho – diferente.

A morte de Dio, em maio de 2010 é contada em detalhes desde o seu diagnóstico de câncer. No dia de sua morte “de 25  a 30 amigos estavam no hospital, e todos foram se despedir dele um a um”.

Em 2011, Ozzy começa, segundo ele, a sofrer perda da memória de curto prazo. E o livro termina com o planejamento do recente CD lançado pela banda.

Dentre as frases muito legais do livro, está a da última página: (Bill) “Independentemente do fato de que fomos enganados, todo o nosso estilo de vida melhorou em torno de 5 mil vezes mais do que eles já conseguiram. Temos carros, temos casas, podemos sair e tomar a cerveja que quisermos e podemos comprar nosso próprio maço de cigarros, em vez de um maço para nós quatro”.

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>