Assim com determinadas pessoas não vivem, apenas existem, alguns alunos são apenas nomes na pagela (se não gosta de verdades, nem continue a ler). MAS existem alunos amados, aqueles que temos orgulho de, em qualquer lugar, apontar para quem estiver próximo e dizer “Ali, ó! Meu aluno!”.

O que faz algum aluno deixar de ser um número de matrícula para ser “alguém” que lembramos é o que:

1 – PERGUNTA. Você pode não acreditar, mas as vezes PRECISAMOS de perguntas até para tornar a aula mais dinâmica. Alguns conteúdos indiretamente a ver com o assunto ficam escondidos em nossa lembrança, e a pergunta estratégica tem o condão de disparar um insight que pode tornar uma aula de “mais ou menos” a espetacular!

2 – ESTUDA para passar, pelo menos (o que já está ótimo!). Pense assim: já que você está pagando “mil reais” por mês (se estuda em instituição particular) ou, pior, já que vários contribuintes pagam “vários” milhares de reais para te manterem estudando (no caso das faculdades públicas), nem que seja por isso – para fazer valer o dinheiro – estude e aprenda, ora! Se é para não ter ao menos a vontade de aprender, não é uma completa imbecilidade perder horas em uma faculdade quando se podia fazer várias coisas bem mais agradáveis?

3 – CALA durante a aula. Só fale com o professor. Nem permite que falem com você. Aluno que conversa (e isso inclui aquela perguntinha paralela ao colega do lado que – coitado – acabou de ser incomodado por você) pode quebrar a atenção do momento. Meu, sem frescuras: sala de aula, em momento de aula, e ambiente SAGRADO: devote-o como em um culto! Pessoas dão tempo, dinheiro e vidas para estarem ali aprendendo, e você, justo você, vai atrapalhar isso?

4 – ASSUME a responsabilidade por sua vida, atos e comportamento na faculdade. Ou seja: JAMAIS PEDE CONDESCENDÊNIA! Assume as faltas, assume eventual nota baixa e jamais, j a m a i s pedirá, como perdedor, qualquer  “facilidade”, abono ou

5 – ENTENDE que seu professor e um humano e, como tal, não é perfeito; nem espere isso.

6 – COBRA. Sabia que se ve não nos disser onde estamos errando quanto a como fazemos, talvez não percebamos? Lembre que você e um cliente, esta pagando (ou a sociedade esta), então, não aceite pouco pelo que paga (mesmo se você for rico)!

7 – ACEITA a correção da prova – ok, é cômodo para mim dizer isso, já que sou eu que corrijo; mas todas as vezes que errei como aluno em alguma prova, também errei com convicção, ou seja: errei tendo “certeza” que estava certo! T,empos depois percebi que minha “certeza”  era falsa. Ou seja: por mais errado que lhe pareça tal correção, e uma vez mantida a correção via recurso: aceite, só isso! Até porque costumo dizer que a resposta certa é aquela que o professor, banca e examinador dizem que são, até porque são eles que dão a nota: aceitar é sintoma de inteligência.

sllls

comments (2)

comments (2)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>