Algo bem conveniente para este EvangeBlogueiro: Uma resenha (que normalmente posto em dia de semana) sobre um filme temático dos anos 80 (tema que posto aos domingos). Vamos a ele:

O filme “somos tão jovens”, em tese, seria sobre Renato Russo e a banda Legião Urbana. Era o que o trailler transmitia.

É um daqueles filmes que já se vai sabendo que vai ser bom (o que já contamina a isenção da resenha, sorry).

Sabíamos nos 80’s que era mais fácil estourar nacionalmente, pois ainda havia muitos programas nacionais que funcionavam às custas de jabá direto (se negociava direto com o dono do programa), era o caso do Chacrinha, Bolinha e Raul Gil.

A temática do filme (época em que éramos jovens e sonhadores) envolveu a todos na sala, com o clima de nostalgia. A música ”tempo perdido” no início do filme já deixa todos eletrizados.

A semelhança até nos menores trejeitos do ator (Thiago Mendonça) com o biografado é incrível. Eu e milhares que assistiram à entrevista dele no Jô sabem bem que até o jeito de falar do ator está igual ao do Renato Russo. O jeito com que ele dança também impressiona: era “ele” mesmo!

A cena em que ele volta a andar depois do acidente me fez lembrar a cena do Forest Gump correndo e se livrando do aparelho da perna.

“O poder da Gibson” dito pelo Herbert é crucial (embora ele tenha entrado para a história tocando uma Fender, no Rock in Rio). Aliás, a imitação do Herbert está tão engraçada e caricata que fica simpaticamente perfeita no filme.

Ah, depois daquilo viria a lambada, axé, pagode, forró e boi. Se começou a enterrar aquilo.

Fica muito claro que o filme brasileiro é MELHOR que os importados, quando querem fazer algo bom.

Imagens verossímeis de Brasília de 1976 nos passam a impressão de serem contemporâneas, e não refilmadas.

Particularmente, acho que cada grande banda dos 80’s merecia um filme, mas um FILME mesmo sobre a banda, não sobre os seus integrantes individualmente.

Ficamos divididos. Queríamos mais. Do meio para o fim do filme, se perdeu a cronologia e pareceu cenas esparsas. Mas… nunca teremos um trabalho perfeito, cada um do público certamente gostaria que a história fosse retratada de uma forma e ângulo diferente. Acho que até os roteiristas sabem disso, tanto que nos créditos finais surge “Essa é uma obra de ficção livremente inspirada em fatos reais”- É uma defesa contra qualquer crítica de que não seguiram os fatos (O seguro morreu de velho!).

 

Spoillers (se você ainda não sabe o que são “Spoillers”, são dados que podem estragar o fim do filme para você, se lidos antes):

O filme termina com uma mensagem não dita: “O resto é história”. O mérito é mostrar o “antes”, e acaba não sendo um filme nem sobre Renato Russo, nem sobre o Legião Urbana nem sobre o Capital Inicial, mas sim sobre o Aborto Elétrico.

Duas omissões graves no filme: O filho do Renato Russo não surge, embora o filme tenha ido até 1985. E uma omissão grave: o Negresco, integrante da legião Urbana, não é mencionado, nem indicado, nem referenciado, nem sugerido, ou seja: foi apagado que nem Stalim fazia com seus opositores – tudo bem, se assumirmos de vez que o filme, como eu disse é sobre o “Aborto Elétrico” e não sobre o Legião Urbana.

Ah, e pesquisando aqui descobri que o show no Circo Voador foi em 1983, e não em 1985 como aparece no letreiro final do filme (ou foi como entendi).

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>