Como pode uma copa, onde o Brasil sequer ganhou, ser lembrada? Caro leitor, não insista, se você não viveu 82, jamais vai entender aquilo. Jamais. Foi a maior, melhor, mais esperada, torcida e lamentada copa de todos os tempos.

O Contexto

O futebol era o único, ÚNICO motivo de orgulho nacional do país; tínhamos a síndrome de vira latas, sendo chamados e autochamados de “terceiro mundo” (termo em moda na época). Enfim, o Brasil era um país ruinzinho;

As rádios foram tomadas de assalto por um sucesso instantâneo: “Você não soube me amar”, da Blitz

Foi a copa que gerou maior expecativa por antecipação. Já todo o ano de 1981 fora tomado por notícias e agitos da copa do ano seguinte;

O brinquedo do ano era o Merlim, um antecessor dos futuros jogos portáteis eletrônicos (ele merece um post exclusivo, um dia escrevo)

Os telejornais era só “guerra das malvinas”. A inglaterra não parava de mostrar ao mundo o seu caça Sea Harrier – que decolava na horizontal; e os Estados Unidos ostentavam os recém-construídos Ônibus Espaciais (Columbia, Challanger, Discovery e Endeavour)

Naquele ano, em Manaus, o noticiário girava em torno das candidaturas para a eleição para governador: Josué Filho x Gilberto Mestrinho.

O Clima

Nem mesmo as copas onde o Brasil sagrou-se campeã são tão lembradas quanto aquela de 82.

O time era dos sonhos (Zico, Sócrates, Falcão, Junior, Cerezo etc)

O Brasil “era” Flamengo, base daquela selação, devido ao rubro-negro ter sido campeão do mundo em 1981. O técnico era amado por todos: Telê Santana, o único que vi, até hoje, não ter sido alvo de críticas generalizadas ao assumir o comando de uma equipe.

É bem verdade que depois o Flamengo entrou em queda, e o Vasco em ascenção.

Havia distribuição gratuita nas ruas de souvenirs, viseiras com as cores verde e amarelo eram atiradas nas ruas.

Cheguei a ver colega meu no Ida Nelson com a camisa da seleção por debaixo da camisa do colégio (como ele passou na entrada, eu não sei!);

Foi a época onde minha geração aprendeu a jogar “bafo”, pois toda criança ou adolescente que se prezasse, naquela época, tinha o álbum da figurinhas da seleção; o tráfico dos cromos inter e entre-salas era corriqueiro;

A queda

O Brasil morreu naquele 5 de julho. Foi uma derrota inconsolável, talvez devido à expectativa. Foi uma semana inteira tétrica. Tudo calado. Até a professora entrou em sala sem ânimo na segunda.

Até o programa “Os Trapalhões” daquele domingo foi triste. Nenhuma matéria além da copa foi veiculada no Fantástico. Ninguém conseguia dizer algo, seri algo a ser elaborado com o tempo.

A revista Placar tinha na capa “Que pena, Brasil!” com foto de jogadores abraços chorando. Foi um clima horrível.

A herança

Para se ter uma ideia, na copa de 1986 (quando esperávamos o Cometa de Halley)o Brasil não tinha ainda assimilado a derrota de quatro anos antes, tanto que houve a re-escalação do técnico Telê Santana! E, pior, cogitou-se que Pelé voltaria a jogar pela seleção (acredite!), naquela copa.

A teoria

Minhas teoria (viagem-conspiração?): O próprio governo Figueiredo urdiu aquela publicidade toda, para conseguir fazer o sucessor dos militares no Colégio Eleitoral, previsto para próximo; acho que se o Brasil tivesse vencido aquela copa, com certeza Paulo Maluf, candidato do PDS (herdeiro da ARENA), teria obtido vitória na eleição (indireta) de 1984.

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>