Assim como uma doença manifesta-se por sintomas; existem indícios de administração cambaleante. Cinco desses sintomas são frases bradadas aos administrados, como segue:

“O Estado não pode colocar um policial ao lado de cada cidadão” – É o clássico bordão do incompetente. O incapaz de cumprir sua tarefa precisa ou jogar a culpa em alguém, ou encontrar uma ‘explicação’ convincente. Todos sabem que é papo, mas por algum motivo inexplicável, continua funcionando incrivelmente bem; talvez pelo fato de não haver alternativa.

“A segurança é responsabilidade de todos” – É uma forma de tirar a culpa da administração pela violência sem controle, afinal, ela não é a “única” responsável (mas não deixam você ter uma arma…)

“Agora vamos nos importar com as pessoas” – É a frase do administrador que não quer mais fazer nada mas não quer passar por inoperante, então, com nenhuma obra sendo tocada, ele diz que passou a se “importar com as pessoas”; ele não é um debilóide que não sabe que obras também melhoram as vidas das pessoas, ele é, sim, um inteligente que sabe que administra idiotas que irão acreditar nisso!

“Recebi o (município, Estado, País) quebrado!” – É a frase já traduzida para o termo “não esperem muito de mim, vou fazer muita coisa não…”

“Foi um fato isolado, vamos apurar tudo” – Dizendo isso, o administrador consegue duas proezas: não fica sem se manifestar; dizer absolutamente coisa alguma embora falando algo; e jogar a resolução do problema para adiante (tecnicamente, para o dia de são nunca) que, como já estará esquecido mesmo, nada precisa ser mais resolvido. Engenhoso!


comments (1)

  • Edyranne Santos Reply

    Uau… adoro esses assuntos envolvendo administração pública! Trata-se de falta de eficiência, além do mais insultos à moralidade.

comments (1)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>