Era a atração de domingo: visitar o avião que ficava na Praça da Saudade.
Já de qualquer das esquinas podíamos ver a imponência, lá estava ele como que pronto para decolar; o avião da praça.

Essa era a Praça da Saudade do início dos anos 80

O avião não era aberto. Nosso hobby era escalar trem de pouso; alguns domingos tínhamos a sorte da escada lateral estar lá, aí podíamos subir nas asas. Alguns, mais afoitos, subiam na crista da cabine ficavam sentado, se equilibrando em cima. Sinistro.
Entre o carro de pipocas e o playground, lá estávamos subindo no DC-3.

É bem verdade que esse não é o melhor ângulo, tentei de todo modo enocntrar uma foto dele de baixo pra cima, que é como o avistávamos, mas não encontrei (ainda!)

Na surdina, sem notícias ou estardalhaços, nosso avião foi retirado de lá. Morreu duas vezes: quando foi aposentado e quando foi vendido, isso mesmo, vendido para o desmonte.

O fato é que eu vi aquele avião desmontado.
Alguma noite, na primeira metade dos anos 80, minha família estava em uma festa de amigos na cachoeirinha; meu irmão Marcus apontou: “Olha ali o avião da Praça da Saudade!”; olhei para o muro, e lá estava.

Neste local, onde hoje é uma loja de veículos, eu vi partes desmontadas do avião.

Era uma oficina que ficava na esquina da Rua Itacoatiara com Rua Borba, na cachoeirinha (atualmente lá existe uma concessionária de veículos); lá estava uma asa do avião, muito grande, podia-se ver, inclusive, o invólucro de um dos motores (sem hélice).

Realmente, lendo o livro do Durango Duarte, lá consta que o avião fora vendido, em 1984, para uma empresa de taxi aéreo para a retirada do trem de pouso; fui testemunha, portanto, do fim do nosso avião.
O pior veio depois da saída do avião, quando cheira-colas afugentaram as famílias que, amedrontadas, nem sequer mais frequentaram aquela praça.

Quando soube que a praça da saudade seria reformada, fiquei feliz; finalmente o nosso avião estaria lá de novo (se fosse um DC-3, então…). Mas a alegria durou pouco, quando soube que colocaram a praça no traçado original, que ninguém da minha geração conheceu!
Para nós, da geração 80, aquilo é uma nova praça (que ironia! a “antiga” praça, pra nós, é uma novidade!); bonita, é verdade, mas nem de longe é a nossa praça, como um dia a conhecemos.

Pior que, compulsando as palavras dos historiadores, descobri que o período da praça em que tinha o avião (entre 1977 e 1984) é justamente o mais marginalizado e desprezado, sendo visto como época de “descaracterização” da praça, um período mal-visto. Pow! Justo o “nosso tempo”?

Praça da Saudade após a reforma; junto com o avião, que já havia “decolado”, a praça como nós conheçemos foi apagada. (Foto by Marcelo Cadilhe in setufam.blogspot.com )
Esse arbusto(?) está plantado no local exato da cabine do DC-3

Do nosso avião, mesmo, só restou a memória. Nem sequer uma foto dele, no local, existe. Estando lá dia desses, constatei que, no marco zero do aeroplano, há um arbusto plantado (coincidência?).

E a dificuldade pra encontrar uma foto do aeroplano, então? Passei uns bons meses procurando, até encontrá-la no acervo da Biblioteca da Faculdade Martha Falcão. É a imagem do alado que ilustra o post.

Quando eu escrevi meu livro romance-policial “Nivi”, imortalizei a memória de nosso avião, em uma das cenas da obra.

O EvangeBlog agradece Frederico Cavalcante, que inclusive tem um blog: http://www.spottermanaus.blogspot.com/ Pela valiosa foto onde o avião aparece como nós o víamos: http://www.myaviation.net/search/photo_search.php?id=00369623 (Foto de Helio Bastos Salmon)

comments (19)

  • Mansur Seffair Neto Reply

    Fantástica a lembrança do “avião da Praça da Saudade”!
    Realmnente me traz uma recordação doce da minha infância.
    Apenas um pequeno detalhe: lembro-me bem que, logo quando o avião foi levado para a Praça, o mesmo ficava totalmente aberto e tínhamos acesso, inclusive, a área da cabine.
    Pouco tempo depois (alguns poucos meses), por motivos de vandalismo, suponho, o mesmo foi trancado, permanecendo assim até a sua retirada.
    Bons tempos que nunca mais voltarão, pois o tempo não passa. Nós é que passamos!
    Valeu.’.

  • Queria ter visto esse tal avião!!! Devia ser muito legal ficar nas asas dele…

  • Muito legal relembrar algo que ficou marcado em nossa infância e a história da Praça da Saudade que hoje não é mais a mesma ,cercada de “camicases”.

  • Em 1984 aos 2 anos de idade me mudei pra Epaminondas próximo a padaria Pátria, não cheguei a presenciar esse avião na praça, mas ainda curti uma praça livre da mulecada que anos depois frequentariam lá pra cheirar cola nos anos 90. Tempos turbulentos aqueles.

  • O avião era um Douglas C-47 da Cruzeiro, ficou entre 1977 a 1984, matricula PP-CBT. http://www.myaviation.net/search/photo_search.php?id=00369623

  • Essa nova foto ta showww. Tem um brinquedo ao lado avião, eu vivia me pendurando naquilo alí, levei vários tombos. kkkkk

  • Engraçado como o que aparece de bom se esvai de alguma forma, tenho umas fotos desse e nesse avião. Muiot legal aquela época!!

  • Fabiana Penafort Reply

    Marco,
    Estava fazendo uma pesquisa pro meu trabalho final de graduação em arquitetura. Pesquisava o avião da praça porque farei um parque público e tenho a idéia de colocar novamente o avião, porque é algo que marcou minha infância. Amei as fotos que vc postou. Onde você acha estas coisas. E que memória de elefante, hein? Tem até o modelo do avião! Vou colocá-lo no meu projeto. Obrigadaaaaa!!!!

  • abrigado por essa velha e boa lembrança

  • Tive a honra de ter conhecido esse DC-3 da Cruzeiro na Praça da Saudade. Gostava de ir muito pra baixo dele, girar as rodas, olhar os detalhes da fuselagem, etc…
    A título de inormação, antes da aeronave ser retirada da praça ela foi aberta ao público. Quando cheguei a Manaus em 1981 ela já estava fechada, e tempos antes de tirarem de lá ela foi aberta. Eu até entrei, era de noite, muitas crianças subindo a pequena escada azul-escuro com o nome e a logo da Cruzeiro em branco.
    Entrei no avião, estava escuro, mas deu pra ver e sentar nas poltronas, olhei pela janela e vi o “PP-” já meio apagado, abri uma mesinha, meti a mão pra dentro do bolsão da poltrona (pra ver se achava alguma lembrança ehehehe), e depois sai dele.
    Deposi disso, um tempo depois, passando em frente a praça, ele nã oestava mais lá.

  • Que pena que eu não cheguei a pegar essa época, já que retiraram o avião no ano em que nasci… a lembrança mais antiga que tenho de lá deve ser de 94, 95: havia uma banca de revistas usadas num dos lados da Praça, e eu passava a maior parte do tempo fuçando os gibis, e não brincando… mas lembro que havia um parquinho de diversões lá.

  • Tempos bons aquele na epoca tinha uns 10 anos lembro que as filas eram grandes para entrar nos fins de tardes de domingo. No inicio de 1984 fui morar em P.Figueiredo passei 2 anos sem vir em Manaus quando voltei só havia o lugar fiquei decepicionado com o que vi a praça tinha virado um local de drogados.

  • É… Bons tempos aqueles !!! Sempre gostei muito de aviões, também rodei muito aquelas rodas suspensas sonhando um dia ser piloto !!!
    Marco… Valeu a lembrança !!!

  • Eliete Cordeiro Reply

    Gente aos domingos minha mãe me levou pra passear nesta praça,e lá estava ele enorme meus olhos brilharam e corrir para entrar neste avião a cabine ainda estava aberta parecia que eu estava voando mesmo,na realidade eu estava sim com minha imaginação fui bem longeee!!!muito legal mesmo!!!

  • Gostaria de saber como aconteceu a doação do avião para a praça.

    • Marco Evangelista Reply

      Julio meirmão, boa pergunta. Tudo o que encontrei lá por 2011 quando escrevi o post é que “O Prefeito Jorge Teixeira implementou a ideia de colocar um avião…”. Não tive dados sequer se foi doação, ou se foi comprado mesmo. Quando e se um dia eu descobrir (bem como onde está alguma parte dele ainda hoje), postarei aqui.

  • Muito legal esse post, morei em Manaus nos anos setenta, pra comeco de oitenta morava na rua luis antony, e passava meus dias por ai, no comeco o aviao abria pra visitacao nos domingos, em tempo o prefixo do velho dc 3 era.PP-CBT.

comments (19)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>