A união de pessoas para a obtenção de interesse comum, sem finalidade lucrativa chama-se associação. Tal interesse poderá ser externo (benemerência) ou interno (fortalecer alguma causa dos associados ou da classe).

Dissidências e discordâncias sempre haverão, quando o que trata é diversidade de opinião. Geralmente, tudo resolve-se com simples questão de maioria mas, no que toca à associação, a lei é clara quanto à possibilidade até de uma minoria mudar o todo.

É que a lei garante (artigo 60 d0 Código Civil) a 20% dos associados o poder de convocar uma Assembleia Geral. E a Assembleia Geral, como órgão máximo de decisão do ente, pode mudar qualquer coisa; sim: qualquer coisa!

“Art. 60 – A convocação dos órgãos deliberativos far-se-á na forma do estatuto, garantindo a 1∕5 (um quinto) dos associados o direito de promovê-la.

É óbvio que esse quinto dos associados não tem o poder de votar por todos, não é isso! É o de convocar a Assembleia. Pode ser até que, em tal evento, saiam vencidos mas, convenhamos, se tiveram articulação para convocarem a assembleia, é muito provável que tenham tal articulação, também, para se fazerem presente em peso (eles, os discordantes) na assembleia para, ai sim, mudarem o que desejarem.

É algo, portanto, que todo dirigente de associação precisa estar atento: pode ser alvo de uma revolução, ou de um “golpe branco” dentro de sua própria entidade.

Rvlc

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>