Direito de Família é o que existe de pior para ser ensinado e aprendido em direito civil: além de mudar mais do que qualquer outro tópico, nada é certo, nada é estável. Uma teoria mirabolante surge ontem e hoje já é mania. Enfim: é um inferno. A última bomba que parece que quer pegar é a paternidade socioafetiva; que existe, realmente, mas daí a quererem dar efeitos jurídicos e patrimoniais é uma monstruosidade e, pior: pune quem acolhe alguém. Me e nos resta esperar que haja alguma iluminação na mente dos magistrados que encontrarem essas excrecências em petições: julgá-las improcedentes (não podemos querer que eles às ignorem, sob pena de incorrerem em omissão de julgamento). Convenhamos: Você amigo meu se apaixona por uma mulher que já “vem com kit” (se você for mulher, inverta o exemplo) – começa a tratar o filho dela como se filho seu fosse. Louvável. O fato é que, depois da relação acabar, você é surpreendido como réu em uma ação de reconhecimento de paternidade socioafetiva, lhe pleiteando pensão alimentícia e futuro quinhão em sua herança. Absurdo, né? Não para alguns juristas, acredite! Quem mandou ser gente fina?…

 

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>