Avaliar é sempre tenso.

Não é a parte mais chata, mas é a parte mais difícil da profissão; pois não existe qualquer sentimento de simpatia a favor de ninguém: estou (tentando) medir conhecimento (impossível!), e não te ajudando em algo.

Na avaliação, eu não sou seu amigo; nem seu instrutor; sou seu examinador.

Isso significa que não estou ali para te ajudar, mas para te testar e,

quanto mais isso ficar claro, menos traumas.

É que eu não posso apenas ensinar, tenho que condicionar também e, nas provas e concursos da vida, o fiscal da sala não vai te ajudar, nem algo sobre a prova ele vai saber!

Se a interpretação da questão é um item a ser avaliado, porque perder tempo perguntando sobre isso? Costumo dizer que quando entrego a última prova na sala, esqueço toda a matéria, assim, não adianta me perguntar, serão dois trabalhos.

Prometo que, assim que você entregar a prova, volto a ser amigo.


comments (1)

  • Concordo professor, pior q tem professores q ainda ajudam esses individuos q nao sabem interpretar a prova, isso sim dá raiva –‘.

    ;*

comments (1)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>