Escrevi “banda” no título, mas é igualmente aplicável, com as adaptações, a qualquer artista,músico solo inclusive.

Primeiro você gosta da música, escuta a música em algum lugar e gosta dela, do fonograma, daquela música, A fica escutando vezes e vezes = é o primeiro passo, onde logo se passa para o…

Segundo momento, onde se procura mais música daquela banda, a esperança (geralmente concretizada) que encontremos mais músicas no mesmo estilo e parecidas com aquela que gostamos. Se isso ocorrer, passamos a gostar não apenas da músicas, mas da própria banda, mas ainda como música, não formamos a identidade de “banda” ainda, até porque nem sabemos ainda quem forma aquele conjunto.

No terceiro momento, geralmente quando se chega na quarta música gostada, queremos conhecer a banda, até abstraindo a própria música. de onde? Em que época? Alguém ali que já conhecemos ou ouvimos falar antes? Ao termos já alguma informação da banda, já passamos a gostar ainda mais daquelas músicas que gostávamos só como som.

É nesse momento em que conseguimos separar as músicas a depender de quem a compôs. Qualquer aficionado por Beatles ou Pink Floyd consegue descobrir as músicas que foram escritas por John, Paul, George, Gilmour, Roger ou entre cada banda em conjunto.

Tempos depois, no quarto momento, surge o próximo estágio: passamos a individualizar os integrantes e a conhecer sobre cada um – é quando os transformamos em personagens. Aí queremos saber sobre a biografia de cada um e a ligação entre os integrantes – os desligamentos e rusgas inclusive. Sabendo um pouco sobre cada um, passamos a escutar aquelas mesmas músicas de forma mais complexa, pois procuramos no som algo daquilo que aprendemos

Então o círculo se fecha: ouvir o som da banda gostando da banda e entendendo o contexto de tudo ali.

Não terminou ainda, existe ainda um quinto nível: quando passamos a gostar tanto da banda que passamos a querer escutar o material dos integrantes antes de integrarem o conjunto, de suas futuras bandas e quiçá de suas carreiras-solo.

E, no último nível (nem sempre presente, mas possível), ter gostado daquela banda pode passar a lhe tornar fã do gênero de música que aquela banda toca, quando se procura outras bandas com o mesmo som, que influenciaram ou que foram influenciadas pela banda-alvo da admiração.

Ah, e sim, é possível de inverter as três primeiras fases, e nos aproximarmos primeiro pela história da banda, sabida por qualquer outra fonte e, a partir dela, surgir a curiosidade sobre o som.

Escrevi algo errado? É diferente do que escrevi?

O que você pensa sobre?

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>