Sexta passada terminei de assistir à série Mad Man.

É incrível o sentimento de vazio melancólico que experimentamos sobre que terminamos de seguir uma obra. Seja série ou livro de ficção, fica claro que a emoção do durante é maior do que a emoção da conclusão, como se a experiência do caminho deixasse mais lembrança e divertisse bem mais do que descobrir o desfecho.

Enquanto seguimos uma obra mergulhamos nela, nos personagens, no mundo, sentimentos. Por alguns momentos saímos de nossas vidas e vivemos a obra.

Sempre ficamos na expectativa da próxima página, do próximo capítulo, do próximo episódio.

Ao terminar, nos sentimos órfãos, sozinhos, desamparados, e ficamos com o chão movediço, pois perdermos um dos esteios, que é justamente os nossos momentos de fraqueza e entrega em que nos encontramos na absorção da obra.

Sabemos que dali para frete não mais teremos aqueles elementos para nos tirar de nosso mundinho; e temos que nos despedir daqueles personagens e daqueles cenários; ao ponto de, por vezes, deixamos para concluir o livro amanhã, ou terminar de assistir a série em outro dia, só para prolongar a tensão da trama.

Ainda que reassistamos ou releiamos (sei lá se existe essa palavra…), a emoção não será a mesmo da primeira vez.

Em obras longas, sempre o fim nos faz lembrar de onde e como estávamos no início da obra, e nos sentimos como que se um círculo fosse fechado – e no futuro quando pensamos em tal obra, lembramos exatamente onde e como estávamos quando a estávamos acessando, já que a memória está mais ligada à emoção do que à apreensão.

Só nos resta ficar esperando que uma nova obra nos arrebata e nos leve àquele estado de envolvimento de novo que – inicialmente – até achamos que não haverá, mas, logo depois,

Surge uma nova obra a ser desvendada e, quando pensamos que não, lá estamos imersos na nova trama novamente…

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>