Desde semana passada, após quase um ano parado como atleta regular, voltei a participar de corridas de rua, estive domingo passado na Corrida da Educação Adventista, 5km, cansei – justo eu que já participei até de duas meia-maratonas…

A de ontem foi a Run With Colors corrida onde são jogadas tintas em pós e os corredores ficam bem pintados.

Minha intenção não era pintar ou ser pintado, era correr, mas eu sabia bem onde estava me metendo. A largada foi no horário, e desde a saída fiquei calculando em como faria para não ser pintado.

Os locais onde agentes da organização jogavam tinta era chamado de color-point.

No primeiro, usei uma estratégia que funcionou: me misturei a um grupo de corredores à minha frente, a tinta pegou neles e eu, lá no meio, fiquei safo, yessss! Consegui.

No segundo color-point, eu já tinha reconhecido que havia um intervalo de tempo, uns poucos segundos, onde os que jogavam tinta recarregavam os punhados. Bastaria eu calcular esse exato momento e passar muito rapidamente pelo color-point… funcionou!

Até agora, já pelo quilômetro dois, eu estava invicto – se eu conseguisse continuar assim, chegaria ao fim da prova sem ser pintado.

Mas no terceiro color-point a coisa desandou: os jogadores de tinta não estavam sincronizados e nem havia um grupo passando – arff, quando passei um dos jogadores de tinta me atingiu em cheio e, não sei como, a tinta vermelha entrou por detrás do óculos, atingiu meus olhos (o do outro lado também jogou e eu nem tinha percebido); e pra acabar de completar, eu estava inspirando (cheirei um quilo daquele pó de tinta vermelha) e, para acabar de completar a desgraça, ainda estava de boca aberta.

Vamos por partes:

– Meus olhos sequer ficaram ardendo – Atesto, portanto, que aquele pó colorido é inofensivo mesmo;

– Inspirei tinta acho que até a garganta – Dei dois espirros e parou o incômodo . Então, a tinta também não atacou vias aéreas;

– O gosto da tinta é um pouco amargo e azedo misturados. Não tem gosto bom mas nada que incomode tanto, e some rápido.

Bem, continuei correndo. Talvez ainda desse pra salvar o resto de prova sem levar outro banho de tinta.

Não.

O próximo color-poit tinha umas cinco pessoas, já olhavam pra mim como o pintor olha pra tela em branco, eu já sabia que não adiantava lutar contra aquele destino, apenas abri os braços, fechei os olhos, parei de respirar, fechei a boca e me entreguei correndo, pensando “Pinta, porrrrra!” – Não deu outra: agora eu era vermelho, amarelo e verde.

A tinta era me pó, eu estava suado e o pós ainda dissolvia naquilo tudo… uma beleza!

Bem, cheguei vivo ao final. Rápido. Sem cansar (já melhorei em relação à semana passada).

E aí, a decepção: não havia medalha. isso mesmo: NÃO HAVIA MEDALHA!

Ainda perguntei de uma moça da organização, ela nem deixou eu terminar a pergunta “não!” – Sinal que muitos antes já deviam ter perguntado antes de mim.

Olha, isso foi um atentato contra os corredores, contra a instituição corrida de rua e contra todo o esporte.

Deixei claro que não houve desonestidade da organização: estava tudo no regulamento que, claro eu não li, daí a frustração.20150809_092111_HDR_resized

Um detalhe que percebi é que não vi as figuras que sempre correm. Pareceu uma corrida montada especialmente para não-atletas. Talvez fosse mais uma grande festa do que uma corrida (embora vendida como corrida). Não vi os corredores de sempre… será que eu estava no lugar e evento errado?

Bem, que essa tenha sido a última corrida de rua desse estado onde não tenha tido entrega de medalha.

…que fique ao menos esse posto como prova de que tal evento existiu.

 

 

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>