O mundo corporativo é naturalmente estressante, e estresse não necessariamente é ruim. Há os que, como eu, ficam sem estímulo em ápocas de calmarias – mais de 3 dias de férias começa a ser ruim.

Ocorre que, em algum momento, um ou outro player tentará um lance contra você; por motivação própria ou “cumprindo ordens”, há sempre o risco que alguma peça do tabuleiro virar mero meio da jogada de outra.

É quando surgirá uma disputa, decorrente do rompimento desse tênue equilíbrio. Já aconteceu comigo (narrei por alto no meu livro “Confissões de um Professor Universitário”). Lá não contei o que entendo ser as regras da guerra nesse meio.

As digo agora:

1 – Não inicie uma intriga se não puder levá-la até o fim;

2 – Toda intriga corporativa resulta em baixas, se ninguém caiu ainda, é porque a intriga ainda não terminou;

3 – O que se diz em cima da mesa, se resolve em cima da mesa;

4 – O que ocorre nos bastidores, se resolve nos bastidores;

5 – Ocorrências de bastidores podem ser levadas para cima da mesa, desde que se tenha a certeza de que serão resolvidas;

6 – Os fatos não são propagados, as versões e impressões deixadas pelos fatos é que são;

7 – Existem duas maneiras de sair de uma corporação deixando portas abertas: sem brigar ou tendo a certeza que os que brigaram com você estarão fora da porta;

9 – É possível haver luta limpa mesmo se um dos opositores é sujo;

10 – Se você aniquila os motivos do seu opositor lutar, você aniquila o opositor;

vdcrprtv

 

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>