Depois de 11 anos de magistério, começo a rever alguns conceitos. Sempre achei as disciplinas metajurídicas e filosóficas do curso de dirito – aquelas que se aprende no início – um monte de besteira, enchimento de linguiça para encher currículo de disciplinas. Tanto que, quando eu iniciava “Direito Civil I”, no segundo período, eu costumava dizer: “Bem vindos à faculdade! Porque AGORA é que começa isso aqui, tudo o que meio antes era aquela enrolaçãozinha básica!” – Sim, eu já disse essas leseiras.

Nada como a experiência – e a idade – para consertar ideias.

Disciplinas como “Ciência Política”, “Teoria Geral do Estado”, “Sociologia Política”, “Filosofia do Direito” são importantes, sim! Por dois motivos:

1 – Só existe “Direito Civil”, “Empresarial”, “Constitucional” etc porque existe algo sobre o que se sustentem. De nada adiantaria o direito sem uma estrutura que impusesse seu cumprimento. Aliás, até para que haja ordenamento jurídico, precisa haver alguma ordem mínima entre as pessoas formadoras da sociedade, e da forma como a sociedade entende, produz, aceita ou discute as regras de si e para si, depende a fortaleza de um sistema jurídico. Esse chão, essa cama, alicerce e pilar de todo o ordenamento é estudado justo por essas disciplinas “iniciais”.

2 – Servem para “preparar” a mente para o raciocínio além-texto-de-lei que virá pela frente. 70% da faculdade será enxurrada de textos legais, mas sabemos que direito não é só lei, e conseguir sair das linhas matemáticas dos artigos-parágrafos-alíneas não é tão fácil quanto parece, depois que nos imergimos nas leis, fica difícil pensar “fora da caixa” (senti essa dificuldade muitas vezes) – exceto se os dois lados do cérebro já estiverem predispostos para verem além do visível naquele emaranhado de noras – nesse sentido, essas disciplinas metajurídicas tem o importante papel de manter os canais intuitivos funcionando.

Eu mesmo, agora, “depois de velho”, estou reaprendendo muitos dos institutos básicos que tive de estudar láááá no comecinho, e nem é porque sou professor dessas matérias e preciso me aperfeiçoar sempre, é pra sempre me manter fora e acima de qualquer caixa que prenda meus pensamentos em “textinhos” de algumas leis que, se não foram bem (ou “re”) interpretadas, pouco ou nada valem de bom.

aifos

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>