Em 2009 eu estourei um dos joelhos correndo. Para aguentar a dor, fiquei tomando anti-inflamatório como se fosse água. O médico se irritou “Como assim duas semanas direto tomando anti-inflamatório? Você sabe o que pode sofrer de efeito colateral com isso?!” – Eu não sabia. Estava cometendo o erro de usar algo paliativo como tratamento.

Assim é o Bolsa-Família.

É ótimo e necessário para não deixar um miserável (no real sentido da palavra) morrer de fome. É algo paliativo, uma solução de choque para uma situação de emergência.

Até para a Economia, é bom, por ser um ótimo mecanismo de redistribuição de renda.

Mas para por aí.

O problema é quando o Bolsa-Família vira motivo para quem não trabalha, assim continue – o medo de aumentar de rendimento e sair dos beneficiados faz, simplesmente, os destinatários não quererem trabalha (já ouvi isso diretamente de um, não estou especulando).

É como a história do seguro-desemprego: em 2001 eu estava atuando na admissão de um novo funcionário para uma empresa nossa, quando ouvi: “não posso ter a carteira assinada até junho, senão perco o seguro-desemprego” – Pow! O cara em uma frase só me disse que ele é desonesto e preguiçoso.

Não bastasse isso, eu, particularmente, vejo o bolsa-família, também, como o maior caça-votos já existente na história – e funciona.

 

Soluções:

– Bolsa-Família deve ser impreterivelmente temporário;

– Deve haver fiscalização constante (e não apenas periódica) das condições para o recebimento; e

– Estar atrelada a algum treinamento obrigatório para alguma profissão.

 

Penso que, assim, esse mecanismo passa a ser uma solução, e não uma monstruosidade – como o é atualmente.

ailimaf

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>