No último sábado, saí do trabalho e fui na Riff´s, uma loja de música que fica na Djalma Batista (ao lado do viaduto com a Darcy Vargas), fui lá pra comprar o CD da Ctrl+Z; banda do meu amigão das antigas e ex-parceiro de composições Lessandro Alencar. A julgar pela competência com que compõe (escrevemos “Marcinha Rock and Roll” e mais uma duas), eu já sabia que escutaria coisa boa, sem nem haver comprado o CD ainda.

Só pelo simples fato da Ctrl+Z não se contentar em ser só mais uma banda de cover como existem às dúzias aqui em Manaus, já merece o meu respeito e cada centavo pago pelo CD.

A apresentação física da obra é simples e sem frescuras: destaque para a foto da contracapa onde figura uma maravilhosa Gibson Les Paul cor orange sunburst (ou é uma Epiphone, não vi a marca), a banda está descontraída – um está introspecto, outro integrante está na personagem da terceira música e o Lessandro com a Les Paul. Não há dados técnicos ou créditos do estúdio, gravação, mixagem, masterização, produção etc; mas, que venha o som.

2014-11-04 07.55.21

O Pioneer começou a gritar o disco.

A primeira música é “Nuclear”, uma viagem chapante que faz o disco ser apresentado devagar. É legal como primeira faixa se o audiófilo escutar o CD inteiro (como eu faço, já que o escuto no carro), mas, como música isolada, tem os dois minutos iniciais arrastados, que podem fazer o ouvinte pensar que banda é “só aquilo” – mas do meio para o fim da música ela ganha corpo e nos convence. Na pior das hipóteses – eu não sei se era essa a intenção da banda – apresenta o instrumental da Ctrl+Z, que é de primeira linha.

Na segunda música é que a banda diz ao que vem, com swing e refrão pegajoso, “Superboy” consegue nos convencer a escutar o resto do CD, que não decepciona. O wah-wah usado na guitarra alçou ao estado da arte. É o melhor timbre de bateria do disco.

A terceira música, “A meia-noite vai chover” está no lugar errado, não só deveria ser a primeira do CD como deveria estar frequentando a liderança das mais tocadas nas rádios, a música é muito legal, man! É o momento pop da banda. Eu já a passei para o iPod e a escuto na esteira da academia. É rockão de primeira! Tudo está encaixado:  a batida da bateria com o baixo que conseguiu misturar dançante com marcação dos primeiros temos, e a guitarra… parece que pegaram um daqueles roqueiros experientíssimos dos anos 70 e mandaram o cara fazer o que soubesse de melhor. Sem dúvida, é a melhor música do disco, cara de FM e já ‘a primeira audição a vontade é dar replay 20 vezes na faixa. É a única música em que pude ouvir a voz do meu brother Lessandro, e no coro do refrão.

A próxima música me deu uma certeza que eu começei a construir desde 2009. Naquele ano, escutei a música “Acid Queen” do The Who, com letra de Pete Townshend, são palavras de uma mulher para um homem; agora, escutando “Hã!”, a terceira música do CD da Ctrl+Z, vejo que também se trata de palavras de uma mulher dirigida a um homem, e a certeza se confirmou: Quando um letrista homem resolve escrever sobre palavras femininas para seu consorte, o faz melhor do que qualquer mulher poderia fazê-lo! “Hã!” tem uma letra genial e tão direta que aparentemente soa grosseira, mas depois do primeiro minuto a sinceridade da personagem da letra vem à tona e passamos a nos tornar cúmplice dela. Ao final da música (ela tem final aberto), ficamos nos perguntando, afinal, se a personagem da letra é uma prostituta, a amante do cara, a namorada ou a outra. Ah, de quebra, essa música tem o melhor timbre de guitarra e melhor equalização do vocal de todo o disco.

“Adeus” é um blueszão de ritmo marcado. A princípio é um blues de 12 compassos, com base como quinhentos outros, mas o refrão fez toda a diferença, chegando a ter efeito retroativo dentro da própria música – após o refrão “mais alto que o céu/e mais quente que o sol…”, se passa a gostar da música inteira ab initio.

A sexta música, “Tucuman”, é uma prova de que a banda está, se quiser, pronta para sair de Manaus e ir para as paradas Brasileiras, pois consegue algo difícil: mesclar blues, reggae e música regional amazônica, certamente, seria foco de curiosidade de qualquer ouvinte de outros estados. O letrista brinca com o título da música encaixando-o nas mais diversas ideias; genial. É um reggae que inicia só com guitarra e vocal. Assim com a primeira música, começa devagar e vai nos envolvendo minuto a minuto.

A “O outro lado do pesadelo”, para mim, é a mais complexa do disco, ao menos quanto ao instrumental, cheia de acordes dissonantes.  A mão direita do guitarrista tem um swing que lembra Jorge Benjor quanto ao balanço.

A música que fecha o disco, “Noel”, é um improvável, impagável e fantástico diálogo do autor com… Papai Noel (que foi encontrado em um bar de Manaus)! – à primeira audição você acha curiosa a letra, na segunda audição você não consegue conter o riso. O timing e tino do letrista estão cirúrgicos, conseguindo encaixar frustrações diárias nossas projetadas na vida do velhinho. O contra-baixo nessa faixa está com a melhor equalização de todo o disco. Um efeito colateral de escutar essa música é que ficamos com o início da letra grudado no ouvido um dia inteiro: “Noeeeeel…”

2014-11-04 07.54.10

– Tive a impressão de que algumas músicas foram gravadas em “take one”, ao vivo no estúdio;

– Vi no youtube que a banda tem mais músicas, que não estão no CD;

– É um daqueles discos que quando se termina de escutar dá vontade de dizer “Puta que pariu! Que disco do caralho, véi!”

Recomendo pra caramba.

comments (1)

comments (1)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>