Malhar e correr escutando música tem até nome: dopping auditivo. Diminui o cansaço, dá novo gás e aumenta a resistência: desde que escutemos a música certa no momento certo. isso demanda escolha. Enchemos nossos iPads (já me furtaram uns cinco) de músicas, na tentativa de transformá-lo em uma rádio e sermos surpreendidos a cada música com “aquela” que gerará explosão de energia já no primeiro acorde.

O ideal é colocar as que se gosta [escrevi um post sobre os motivos de gostarmos de alguma música, AQUI], mas somos traídos por vários vieses:

  • Achamos que temos que colocar aquela música só porque ela é tão clássica que não admitimos que possamos deixá-la de fora, tipo “Onde já se viu deixar ´Smoke on the water´ ou ´Stairway to heaven´ de fora?”;
  • Colocamos aquela outra música que não gostamos, mas achamos que vamos gostar – vai que queremos ouvi-la e ele não está no ipod?
  • Colocamos aquela outra que já enjoamos, mas achamos que vamos “desenjoar” e redescobrir a qualquer momento;
  • Colocamos aquela música que não gostamos, aliás, nem conhecemos direito, mas achamos que vamos gostar ou que temos que gostar, porque é da banda que gostamos;

Resultado: quando vamos escutar, acabamos simplesmente dando o baypass – passando de uma música pra outra – procurando a que gostamos.

E quando você acha que colocou músicas bastante, o inevitável acontece: estoura a memória do iPad. Lá vai você procurar as que gosta menos, e aí descobre que são muitas – isso significa que errou ao escolher as músicas, já que escolheu não tão boas. Sempre que vou deletar músicas pra economizar memória procuro aquelas que tem ao vivo e de estúdio, deletando uma das duas, partindo das mais longas para as mais curtas.

dopi

comments (1)

comments (1)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>