Dia desses, há um mês e meio, escrevi sobre “viver em ponto morto”. [para ler o post clique AQUI].

Já naquele momento me perguntava se podia haver algo pior, agora vejo que sim. É que quando se está em ponto morto, ao menos existe movimento, se está indo, ainda não se saiba pra onde; a vida leva.E existe algo pior, é que não se vai pra canto algum. Quando sequer se tem a ladeira para, em ponto morto, haver movimento.

Nada acontece. Os dias e as pessoas ficam iguais, o único sinal de que não está tudo fisicamente congelado mesmo é que a cada dia a data muda; e só esse fato – a mudança da data – é que não faz com que seja literalmente uma “vida parada”.

Isso pode significar a base de lançamento de uma grande mudança, ou pode ser apenas o sinal de que a vida acabou, apenas a existência é que continua (já que o tempo, implacavelmente, não para, ainda mais para quem já passou dos 40). [detalhe, leitor: eu não sabia se era “para”, ou “pára” – chequei e descobri que a reforma ortográfica tirou esse acendo diferencial, então, é “para” mesmo!]

Pior ainda é quando se olha para o passado e não lembramos de ter vivido aquilo, que parece  ter sido outro “eu”  o protagonistas de uma porção de fatos que, se não estivessem registros em papeis, fotos  videos, você poderia jurar que não aconteceram.

Estranho. Estranho…

ragav

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>