É a obra que mais me dá orgulho!

Sabe aquele lance de que “não se pode dizer de qual filho se gosta mais”? É só papo. ESSE é o livro que eu mais gosto. Nem é o que mais vende, nem é o mais divulgado, mas é a obra pela qual eu gostaria de ser lembrado.

“Em uma cidade violenta, houve um julgamento,
uma paixão,
uma escolha.”

 

Diz a contracapa:

“NIVI traz à vida a cidade de Manaus em dois momentos: 1998 e 2005; quando um conjunto de amigos arquiteta a solução de um suicídio e de uma catástrofe de engenharia, paralelamente Nícolas se vê às voltas com sua paixão maior, Vilma.

A trama se complica com o julgamento de um dos companheiros, Tício, o que acaba parando a cidade pela importância do veredito.

Uma história envolvente que leva o leitor a várias reflexões no campo político e jurídico, em uma cidade cuja lei maior é matar ou morrer.

Intrigas, mistério, suspense, religiões e política se misturam nesta trama de Marco Evangelista”

 

Na orelha do livro, consta:

 “Dois momentos unem um grupo de amigos que costumam conversar sobre mulheres, direito, política e comportamento. Um dos integrantes tem um relacionamento conturbado com uma moça que o leva a estranhos pensamentos. O grupo se vê entre informações de crimes e de desmandos na cidade. O que se espera do Poder Executivo? E do Judiciário? Até onde um homem pode ir por uma mulher?”

 

Como degustação, segue a abertura do livro:

 

Subiu a escada, medindo mentalmente a distância e a altura de um degrau para o outro.

Apoiou-se na parede. Algumas daquelas portas deviam ser o seu apartamento; encontrou: era o que tinha contas entrejogadas por debaixo da porta…

Tinha que abrir a porta. Por mais que olhasse atenciosamente, havia mais de doze buracos de fechadura; saiu colocando a chave em todas; em alguma devia caber; coube. Virou. Abriu. Entrou.

Algo escorria pela face. Chuva? Lágrima? Suor? Passou o dedo, olhou.

Nenhum dos três; era vermelho. Não ia limpar agora.

Que se danasse!

Procurou o quarto; devia ser o cômodo com a luz acesa… nunca a apagava…

Tinha medo de estar sendo seguido: sabia demais.

Saiu cortando caminho por entre a roupa espalhada pelo chão. Tomou cuidado para não escorregar no refrigerante derramado no almoço, que ainda não enxugara.

Tudo estava turvo, parecia tremer; o chão não estava plano. Fez mal em ter bebido.

Chegou ao quarto; devia haver lugar na cama que o coubesse, já que esta era uma espécie de porta-treco, tudo jogado por lá…

Estatelou-se nas molas.

Lembrou-se da caixa, que ainda estava sob a cama; tinha que se livrar daquilo.

Levantou a cabeça; a força que ainda tinha no pescoço permitiu, olhou para a foto, colocou a mão sobre ela.

Chapado!

Na mesa do quarto ainda pendia o jornal lido pela manhã sobre a investigação do homem que se suicidara, estatelando-se no chão em pleno TRT, da Praça 14. Voara do último andar da nave central do prédio, segundo o jornal. Nem lera a notícia inteira, já que sabia mais que qualquer um sobre aquele fato; o medo agora era de ser alcançado e ter que contar. Saber demais é perigoso, ainda mais em Manaus, naquele estado.

A perna caía pelo lado da cama… um braço dependurado, tocando o chão, o outro segurando a foto… Como aquilo de sete anos atrás resultaria assim?

Não dava para ter evitado?

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>