Aquilo que causa sensação, curiosidade artificial, momentânea, inútil por vezes chamamos de “sensacional”.

O ato de gerar tais sensações no público, chamamos de “sensacionalismo”.

A depender de como é utilizado, eu não o vejo com grande negatividade. O simples fato de, ao final de um episódio de uma série se propagar cenas dos próximos capítulos (antigamente havia isso em novelas) é um expediente sensacionalista. O título de cada post do blog é sensacionalista (como o post anterior: “Eles os vascaínos, vistos por um flamenguista” – Isso é sensacionalismo puro!

Geram atração imediata: violência, nudez, catástrofe. O motivo e tal atração eu não sei, deixemos que a psicologia estude o que há pode detrás disso.

Existem jornais e blogs dedicados ao sensacionalismo. E não adianta criticar: o povo GOSTA disso.

É clássico o caso ocorrido em 1975, quando um desses jornais o “Notícias Populares”, ou “NP”, por mais de duas semanas noticiou a saga do “Bebê-Diabo” um recém-nascido com características do capiroto que teria nascido em uma maternidade.

Com fotografia e tudo, lá estava o diabinho. As manchetes contavam que ele rasgou o travesseiro com os chifres, que fugiu da maternidade entrou em um taxi e ao responder para onde queria ir, teria dito “-Para o inferno!”. Daí, todos os dias a redação recebia telefonemas de pessoas que disseram ter visto e até conversado com o bebê-diabo.

Um detalhe curioso é que o jornal jamais desmentiu ou revelou ser falsa a notícia!

bbdiabo

 

 

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>