Sou professor full-time: nos três turnos de segunda a sábado.

No que toca a ganhar por hora-aula atingi o limite possível. Ainda não inventaram faculdade com hora-aula após às 22 horas nem antes das 8. Não existe qualquer participação de professores em lucros, o que torna o horizonte de ganho inelástico.

Se eu quiser aumentar o meu ganho como professor, só resta tentar aumentar o valor ganho por cada hora; e para isso teria que aumentar a titulação, com doutorado. Mas para concluir meu doutorado teria que abrir mão de algum trabalho em alguma faculdade.

Ou seja: entrei em uma roda-viva.

Lembro quando saí da advocacia em 2005: foi uma decisão difícil pois eu não estava mais progredindo na profissão, começara a patinar, mas era viciado no que fazia como agora.

Quando adentrei ao magistério, em 2004, me disseram que essa profissão não enriquece ninguém – realmente eu não conheço ninguém que tenha enriquecido sendo professor universitário – mas como a cada ano eu estava conseguindo mais e mais horas-aulas, com convites de todo lado, via os ganhos crescendo, ao ponto de duvidar que essa profissão não fosse um ótimo futuro; mas, quando o limite é a quantidade de horas por dia, não há o que fazer; não há para onde crescer no ofício.

Pode ser que, a qualquer momento surja uma nova atividade; e eu me empolgue, e largue o magistério; talvez até espere que isso aconteça, ou corro o risco de chegar aos 60 anos exatamente onde e como estou; e já adentrei aos 40 idade onde não se tem tanto direito de errar.

Dez anos ministrando aula… para onde ir, agora?

odidr

 

comments (0)

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>